Encomenda mínima: 20€ - Portes gratuitos

Jejum intermitente

Escrito em 15 de abril de 2021

Jejum intermitente

O corpo humano é uma máquina que, quando saudável, funciona como um todo perfeito, estando programado quer para compensar depois de uma refeição, quer para se equilibrar num período de jejum.

 

     De um modo geral, sempre que ingerimos alimento, o nosso corpo liberta uma hormona designada por insulina,  a qual tem um efeito anabólico. Quer isto dizer que, os nutriente ingeridos e não utilizados serão armazenados para uso posterior, num período de carência.

      Diferentemente, quanto o corpo fica por um longo período sem ser alimentado, o nosso corpo liberta uma outra hormona – a glucamina que tem o efeito a oposto.

Ou seja, vai captar aqueles nutrientes reservados e disponibiliza-os ao corpo como fonte de energia, proporcionado a cetose metabólica e, consequentemente, a perda de gordura corporal.

 

Conforme referiu a nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida à NiT, “no ano de 2019 foi feita uma meta análise de 12 artigos, com 545 pessoas, que concluiu que o jejum intermitente está associado a uma redução do índice de massa corporal, da glucose sanguínea em jejum e da resistência à insulina. Além disso, diminui a percentagem de massa gorda corporal, não comprometendo a percentagem de massa magra”.

 Vários são os planos:

14-10; 16-8; 18-6; 20-4.

Nestes planos são cumpridos, conforme o plano, uma janela de jejum, seguida de uma janela de alimentação. O mais popular é plano 16-8h, sendo a última refeição tomada por volta das 21h e a seguinte apenas às 13h do dia seguinte. Em suma, apensa é “saltado” o pequeno-almoço e grande parte deste período é passado durante as horas de sono.

 

Outros planos propõem um Jejum 5/2 – que consiste em comer livremente 5 dias da semana e fazer uma forte restrição calórica nos restantes 2 dias - 500 calorias diárias para mulher e 600 calorias diárias para os homens.

 

Para os mais audazes, é proposto um jejum de 24-48h. Momento no qual o corpo aciona a autofagia.

 

Durante o período de jejum é, no entanto, permitido o consumo de água, café sem açúcar e chá! Água de sabores não são recomendadas dado que quebra o jejum pela estimulação na produção de insulina.

 

O Plano deve ser acompanhado pelo consumo de água em quantidade não inferior a 1,5L diário, bem como de uma alimentação rica em fibra, proteínas e vitaminas durante a janela de alimentação. Frutas e legumes são bem-vindos nesse período.  

 

 

Antes de iniciar qualquer plano alimentar, consulte o seu médico ou nutricionista.


×